Para fugir da dependência do milho, projeto de SC incentiva cultivo de outros grãos no inverno

O governo catarinense lança projeto incentivando os produtores a plantarem outros grãos durante o inverno, como o trigo, para fugirem da dependência do milho oriundo de outros estados e países.

Atualmente Santa Catarina importa mais de 4 milhões de toneladas de milho para abastecer a cadeia produtiva interna, onde grande parte dos grãos viram ração para aves e suínos. 

A parceria entre produtores e do governo do estado prevê um subsídio de R$ 200 por hectare plantado, desde que o grão seja destinado para a ração animal. Os agricultores ganham o subsídio, mas o limite é de 10 hectares por produtor.

Desta forma, durante o inverno a terra continua produzindo e este plantio alternativo acaba por funcionar com uma espécie de entressafra, deixando a terra já preparada para próxima lavoura como a soja por exemplo.

As sementes e insumos são fornecidas por cooperativas agrícolas e o produtor só paga no final da safra, quando entrega os grãos. 

Esta iniciativa visa favorecer todos os setores envolvidos. Ganham os produtores que vendem os grãos e as indústrias que compram das cooperativas. Os resultados são bastante promissores para a economia local, já que aumenta a competitividade nas agroindústrias e  reduz significativamente os custos de importação no estado.

Fonte: G1

Agro resiliente: nem a pandemia atrapalha o produtor rural

O agro não parou na pandemia, e ao contrário do que muitos pensavam, o impacto foi muito menor no campo, em comparação com outros setores da economia. Essa é uma das constatações da 8ª pesquisa Hábitos do Produtor Rural, feita pela Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA), nesse levantamento bastante amplo que oferece uma série de dados importantes sobre o produtor brasileiro.

A pesquisa realizada entre outubro de 2020 e janeiro de 2021 em 16 estados, foi a maior edição da pesquisa, realizada desde 1985. 

Confira as principais conclusões da pesquisa:

Apenas 25% dos entrevistados afirmaram ter sentido os efeitos da crise de forma mais severa.

O que mais reforça este dado é que não houve crise de desabastecimento de mercados em nenhum momento.

O trabalho do agricultor passou a ser visto com maior importância.

Antes da pandemia, apenas 31% dos produtores acreditavam ter uma imagem boa ou excelente perante a população urbana. Esse número subiu para 46% desde então. É um sinal de que a distância entre o campo e a cidade está sendo encurtada.

Houve um crescimento significativo da participação do produtor no ambiente digital.

  • 94% dos entrevistados têm smartphone (na pesquisa anterior, de 2017, eram apenas 61%)
  • 74% usam a internet como fonte de informação (contra 42% em 2017) 
  • 90% costumam acessar alguma rede social

Os meios mais tradicionais, como a TV aberta, os jornais e as revistas, vêm perdendo espaço na preferência.

Por fim, o produtor está cada vez usando mais internet e tendo mais acesso à diversas ferramentas tecnológicas. E este é um caminho fértil para adoção de novas tecnologias e novidades que possam ajudá-lo a crescer e produzir ainda mais.

E para você, como foram os impactos da pandemia? Você também investiu mais em tecnologia como demonstrado na pesquisa?

Você acha que a pesquisa retratou a realidade que você vive? Conta pra gente nos comentários abaixo.

Fonte: Isto É Dinheiro

Plataforma de dados estratégicos do agronegócio no Brasil é lançada pelo governo

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), lançou recentemente o portal do Observatório Agropecuário do Brasil. 

A ferramenta coleta dados de mais de 200 bases mapeadas nos quesitos: safras agrícolas, previsões climáticas e créditos rurais. 

Fornece ainda, uma riqueza em informações ilustradas representadas por mapas geográficos das áreas rurais brasileiras.

O sistema é aberto ao público e segundo o ministério responsável, tem como objetivo fortalecer e aprimorar a integração, gestão, acesso e monitoramento de dados e informações de importância estratégica para o setor agro e para o Brasil. O novo portal fornece diversas consultas e informações como:

  • Agricultura sustentável e meio ambiente; 
  • Aquicultura e pesca; 
  • Crédito rural; 
  • Produtos agrícolas; 
  • Informações climáticas de risco; 
  • Solos.

Em relação ao crédito rural, o usuário consegue utilizar a plataforma para consultar a quantidade e valor dos contratos, com filtros que oferecem visualização por período, fonte de recurso, programa, subprograma, atividade, região do país, estado e município.

O sistema também disponibiliza publicações dos diversos temas e setores como relatórios, informativos, revistas, planejamentos, boletins e cartilhas. 

O MAPA prometeu outras funções na plataforma até julho de 2021, como assistência técnica, questões fundiárias, agricultura familiar, pecuária de corte e comércio exterior. 

AFS: como essas 3 letras podem ser suas maiores aliadas no campo?

Todo o manejo da lavoura deve ser feito no tempo adequado. Colheita antecipada, atrasada ou sem uma boa regulagem de máquina reduzem a produtividade. Para evitar esse tipo de problema, conte com a tecnologia AFS! Ela permite que você monitore a performance da máquina em tempo real e registre as principais informações da colheita. Entenda como.

COMO FUNCIONA A TECNOLOGIA AFS?

A tecnologia AFS (Advanced Farming Systems) apresenta funcionalidades de orientação com alta precisão, repetição e criação de mapas de produtividade e plantio planejado, permitindo ao agricultor uma ampla visão para a tomada de decisões, seja no preparo do solo, plantio, pulverização ou colheita.

GPS E PILOTO AUTOMÁTICO

Entre as funções disponíveis, está a orientação por GPS e Piloto Automático. O AFS Guide para tratores, pulverizadores e colheitadeiras faz o direcionamento da máquina de maneira precisa, assim pode-se otimizar a produção, evitando desperdícios.

Com essa tecnologia, o operador pode concentrar-se na sua tarefa sem correr o risco de falhas ou sobreposição nas operações, mesmo trabalhando em condições de mau tempo ou à noite.

Já o Autopilot serve para diminuir o esforço do agricultor na operação das máquinas agrícolas sem perder tempo de trabalho nem rendimento no campo.

A gestão de precisão do terreno otimiza o consumo de combustível e de defensivos, reduzindo custos e garantindo a operação tanto em linhas paralelas quanto em linhas retas, curvas, pivô e percursos irregulares.

AFS DESKTOP

Além da instalação do equipamento na máquina, o sistema AFS também oferece o software para escritório. Através do programa, o agricultor poderá gerenciar sua propriedade através de mapas de produtividade e relatórios analíticos, combinando informações da máquina, do operador e do cultivo para ter uma análise histórica da produção. Assim, safra após safra, ele poderá otimizar a atividade e o uso de recursos a cada novo plantio.

E sabe o que é melhor nisso tudo? Você pode usufruir de todo esse conforto e desempenho agora mesmo com a Bugio Tratores. Entre em contato conosco e teremos o prazer em te ajudar a escolher seu equipamento de acordo com as suas necessidades específicas, levando em consideração as peculiaridades da sua lavoura e o seu modo de trabalho.

Abimaq prevê maior investimento em maquinário agrícola para 2021

Apesar da pandemia da covid-19 que criou dificuldades logísticas e de produção, o setor de máquinas e implementos agrícolas brasileiro não parou em 2020. As vendas devem apresentar um crescimento real de 12% (descontada a inflação) e nominal de 20% – na comparação com o ciclo anterior – e o faturamento estimado é de R$ 40 bilhões. Esse cenário deve-se a uma ótima safra agrícola, ao recorde das exportações do agronegócio e a valorização do dólar em 30%, que propiciou uma grande rentabilidade para os agricultores das culturas de exportação: soja, milho, café, algodão, laranja, celulose e carnes. 

Os produtores rurais aproveitaram os preços dos grãos em alta para aumentar a área plantada e investir em máquinas agrícolas, que são determinantes para extrair o melhor da lavoura. Outro ponto que alavancou a comercialização no setor foi a defasagem tecnológica existente no Brasil: 50% do parque industrial tinha mais de 10 anos de uso e precisava ser renovado e modernizado.Já as exportações em 2020 foram impactadas negativamente pelo coronavírus, pois as economias dos principais parceiros comerciais, principalmente da América do Sul, não tiveram boa performance. Quanto às importações, houve o aumento de custo de 30% devido à desvalorização do real, o que restringiu a entrada de importados no país no ano passado. 

Para este ano, a perspectiva é de um o mercado de máquinas agrícolas promissor, pois os preços das commodities estão bons, o dólar está num bom patamar e as chuvas voltaram. Então temos a expectativa de ser um ano excelente com relação ao clima e sem falta de crédito com as suplementações que estão sendo feitas pelos bancos particulares e pelo próprio BNDES. Baseada nessa conjuntura, a previsão para o próximo ano é de um crescimento real de vendas de 3% (descontada a inflação) e nominal de 10%, chegando a R$ 45 bilhões de faturamento.

Com relação às exportações, acredito que com o fim da pandemia e com o retorno à normalidade deve acontecer uma reação neste ano. Teremos um 2021 mais promissor, caso o governo tome medidas urgentes no sentido de se organizar de forma a permitir o crescimento sustentado da economia, de modo que a reversão da desindustrialização garanta emprego e renda para o cidadão. Para isso são necessárias ações que permitam a isonomia competitiva do setor produtivo, proporcionando ampliação de sua participação no mercado doméstico e internacional.

Vamos enfrentar 2021 com atitude, positividade, protagonismo e otimismo para levar as demandas que os próximos doze meses nos trará. 

Fonte: Canal Agro

Confira como funciona o QR Code de peças

A tecnologia no agronegócio vem cada vez mais forte para facilitar a rotina e contribuir com o conhecimento e experiência de quem vive do campo. Pensando nisso, uma grande novidade foi apresentada pela CNH Industrial.

A partir de agora, as peças da marca terão um QR CODE específico que leva o cliente a uma área de informações básicas dos produtos como aplicação, cuidados necessários, tempo de garantia e como solicitá-la, entre outras, de um jeito rápido, simples e acessível de qualquer smartphone.

Como acessar as informações?
– Aponte a câmera do smartphone ou o aplicativo próprio de QR CODE do seu celular para o QR CODE da peça
– Você será direcionado para uma página online (site)
– Selecione a marca do equipamento
– Selecione o part number do produto

Quais produtos posso visualizar?
O código estará impresso primeiramente nas peças da linha Nexpro, iniciando com filtros, depois correias, rolamentos, retentores e posteriormente será expandindo para a linha de peças Genuínas.
A escolha dos itens foi feita pela área de Garantia de AMS, onde foram identificados os produtos em que os clientes possuem mais dúvidas.

Com esta iniciativa o time de Aftermarket Solutions da CNH Industrial espera uma maior satisfação do cliente, uma vez que ele terá fácil acesso às informações e pode tirar possíveis dúvidas sem precisar acionar a concessionária, realizando, assim a correta aplicação da peça.

Para entender melhor como o código funcionará, veja o vídeo explicativo no link: https://youtu.be/oVcy4LvXM7g
Também é possível acessar o conteúdo do QR CODE através do site: https://garantia.pecasnexpro.com.br

Bugio Tratores presenteia o comprador do milésimo Case IH com uma viagem para o Costão do Santinho

Com muito trabalho e dedicação de toda equipe da Bugio Tratores, atingimos a marca de mil máquinas Case IH vendidos por nossas concessionárias. Um marco que só conseguimos atingir graças aos nossos colaboradores, amigos, parceiros e clientes. E para celebrar esse momento grandioso, realizamos uma entrega especial ao milésimo cliente.

O merecedor desta bela homenagem foi o Sr. Leonir José Barazzetti, morador da Linha Quatro Irmãos, interior de Xavantina-SC. Este foi o seu 3º trator Case IH adquirido com a Bugio Tratores. E com grande honra e alegria, além da homenagem, presenteamos o Sr. Leonir e um acompanhante com uma viagem ao Resort Costão do Santinho, em Florianópolis/SC, com tudo pago.

Para os diretores da Bugio Tratores o milésimo trator entregue representa muito mais que um número. Demonstra a confiança e a credibilidade depositada na empresa por milhares de pessoas que acreditam na experiência da Bugio, na força do agronegócio brasileiro e na tecnologia Case IH. Por isso, agradecemos imensamente a parceria de todos.

Expansão Bugio Tratores

Atualmente, a Bugio Tratores possui concessionárias autorizadas Case IH em Chapecó, Xanxerê, São Miguel do Oeste, Abelardo Luz e Campo Erê, em Santa Catarina. E em janeiro de 2021 inaugura sua primeira filial no Rio Grande do Sul, na cidade de Santa Rosa. Além disso, possui um projeto de expansão no estado gaúcho, que prevê até 2022 a abertura de mais duas filiais, uma em Erechim e a outra em Frederico Westphalen.

Grupo Bugio é o novo patrocinador oficial da Chapecoense

Prepare o Coração: a emoção verde e branca vai dominar novos campos a partir de novembro.

Com o coração repleto de alegria e orgulho, o Grupo Bugio, empresa que nasceu em Chapecó e atualmente é uma das principais organizações do agronegócio catarinense, anunciou nesta sexta-feira durante coletiva de imprensa que é o novo Patrocinador Oficial do time da Chapecoense.

Assim como uma torcida apaixonada, o Grupo Bugio carrega no peito a coragem, a garra e a determinação que moldam o DNA da Chapecoense e, em comemoração aos 35 anos do Grupo, nasceu a ideia de honrar e fazer parte dessa família que acredita na esperança e que não desiste de suas conquistas.

Na crescente certeza de que a Chape retornará à série A em 2021, o Grupo entrará em campo junto com os jogadores e, a cada lance, cada gol e em cada jogo, sentirá o coração bater mais forte na busca pelo objetivo de retornar à elite do futebol brasileiro.

Nas palavras do Presidente do Grupo Bugio, Sr. Alceu Parisoto: “Ser patrocinador da Chapecoense representa o valor que damos a nossa terra de Chapecó, cidade onde iniciamos nossas atividades em 1986 e que tanto nos orgulha. Chapecó foi muito importante na nossa trajetória empresarial e, como forma de agradecimento, estaremos apoiando a Chapecoense nos 35 anos de fundação do Grupo Bugio. Firmaremos com a Chape uma parceria de grande sucesso”.

O Diretor de Operações Grupo Bugio, Sr. Fabricio Parisoto, destaca que é uma honra fazer parte dessa família: “Somos apaixonados pela Chapecoense e muito gratos por todas as alegrias que ela nos proporciona. Como forma de agradecimento ao nosso time do coração, seremos parceiros da Chapecoense neste momento importante de reorganização e retomada do clube para a Série A. Seguiremos crescendo juntos, Grupo Bugio e Chapecoense, levando o nome de Chapecó para o Brasil e para o mundo”.

O primeiro jogo da Chapecoense vestindo a camisa com o Grupo Bugio estampado no peito será na Arena Condá em Chapecó, no dia 24/11, contra o Cruzeiro.

AGIRC (ASSOSICAÇÃO GINÁSTIA RÍTMICA DE CHAPECÓ

A AGIRC é uma entidade chapecoense privada, sem fins lucrativos, formada por pais e responsáveis pelas atletas da equipe de rendimento na modalidade de ginástica rítmica. Além da gestão da equipe de rendimento de Chapecó, a associação fomenta o desenvolvimento da modalidade em parceria com a prefeitura, através da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer. Desde 2007 vem representando o município na modalidade, com dezenas de atletas integrantes das equipes pré-intanfil, infantil, juvenil e adulto.

Planejamento agrícola diminui custos durante as safras

Veja dicas e ações que contribuem para o seu bolso e garantem uma produção eficiente e rentável

Antes do plantio de cada safra, preocupações relacionadas aos custos afetam muitos produtores rurais, pois as despesas são altas e os gastos fora do planejado podem comprometer a vantagem competitiva no mercado e trazer prejuízos para a lavoura. Por isso, muitos produtores estão buscando métodos que evitam desperdícios na produção e formas de otimizar os processos.

Primeiramente, é importante saber exatamente os custos da safra agrícola e fazer uso de métodos e tecnologias que otimizem a gestão. Para saber os custos reais, é preciso colocar no papel os processos de produção, desde a preparação do solo até a comercialização da safra. Entre os principais elementos estão:

– Insumos agrícolas;

– Tarefas e serviços que demandam custos;

– Pagamento de mão de obra;

– Despesas com as máquinas.

Dessa forma, você saberá exatamente a demanda financeira que necessitará, evitando imprevistos e possibilitando também uma visão geral nas tarefas críticas da produção, direcionando suas decisões estratégicas em relação à safra atual.

Custos com maquinários

Os custos dos equipamentos usados durante a safra devem ser levados em conta, tais como: a compra de implementos novos; combustível; gastos com manutenção; eficiência dos equipamentos, horas trabalhadas por hectare, além da quantidade de máquinas utilizadas e a vida útil do bem.

Desperdícios na lavoura

Evite manter insumos e produtos parados no estoque, calcule a quantidade exata para que o investimento não fique estagnado. Planeje rotas de escoamento e o transporte da produção para que o giro do investimento seja alcançado no período correto.

Equipamentos de qualidade

A qualidade dos equipamentos agrícolas é imprescindível, desde o plantio até a colheita, afinal, o tempo perdido arrumando possíveis problemas podem comprometer a produção da safra. Por isso, na hora da compra é preciso avaliar a eficiência e qualidade das máquinas e implementos. A Bugio Tratores trabalha com toda eficácia dos produtos Case IH. Entre em contato e saiba mais.