Agronegócio Brasileiro terá amplo crescimento em 2020

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

O agronegócio brasileiro terá um ano excepcional e raro em 2020, com altos preços da soja, milho e carne no mercado externo. A previsão foi apresentada em dezembro passado, pelo economista e sócio-diretor da MBAgro Consultoria, Alexandre Mendonça de Barros, durante painel econômico do Agrocenário 2020. 

O economista vincula sua expectativa positiva ao novo ambiente de formação de proteína animal no mundo desenhado pela peste suína africana, que reduziu o rebanho da China a quase metade neste ano. ?É muito raro um ano em que grãos e carnes estão com bom preço. Geralmente, se as carnes têm alta, o produtor de grãos é comprimido. É uma oportunidade gigante para o agronegócio brasileiro, somado ao fator câmbio.?

Mendonça de Barros calcula que em 2020 deve haver um buraco de 23 milhões de toneladas de carne suína na China, o que representa quase 20% da produção mundial, gerando uma demanda ainda mais agressiva por carnes. ?A peste suína é o maior advento do mercado de carnes de 2019, talvez o maior da história. Vai ser bem difícil a China reconstruir seu estoque produtivo em menos de três ou quatro anos.?

Guerra comercial

Outro fator importante que impactou os negócios agrícolas neste ano e deve ter reflexos também em 2020, segundo o economista, é a guerra comercial entre Estados Unidos e China, deflagrada em 2018. ?Essa guerra já machucou profundamente a agricultura americana. O nível atual de endividamentos dos produtores é recorde.?

Em 2018, diz Mendonça, além de comprar apenas 9 milhões de toneladas dos americanos ante as 70 milhões de toneladas de soja brasileira, os chineses pagaram prêmios de até R$ 25 reais no Porto de Paranaguá. Em 2019, talvez para compensar as perdas causadas no setor de carnes, os chineses têm feito um jogo acenando que vão se acertar com os americanos. Com essa  estratégia, os prêmios pagos pela soja brasileira caíram para um quinto do valor do ano anterior.

Fonte: Revista Globo Rural

Fique conectado

Mais notícias

Login